31 de janeiro de 2012

NOVIDADES - LIVROS

Já esta nas livrarias Limite de Frank Schätzing, editado pela Dom Quixote.
Sobre o autor escreve a editora:
Frank Schätzing estudou comunicação e criou uma empresa de publicidade em Colónia. Escreve desde 1990. Publicou o seu primeiro romance, Tod und Teufel, em 1995, e Lautlos, o primeiro thriller, em 2000. Com Der Schwarm, ou O Quinto Dia, alcançou grande notoriedade, nacional e internacional. Não só se tornou um best seller, como foi sempre muito elogiado pelo conhecimento que revela de biologia marítima, geologia e geofísica.
Sinopse (Wook)
Maio de 2025: o fornecimento energético da Terra parece estar assegurado, desde que os Estados Unidos começaram a extrair Hélio-3 da Lua. As tecnologias pioneiras da corporação gigante Orley Enterprises revolucionaram a aeronáutica; americanos e chineses disputam direitos de exploração numa renhida corrida espacial. A acção transporta-nos para o meio das tumultuosas guerras mercenárias africanas, uma contenda pelo petróleo e energias alternativas, onde imperam ambições de domínio espacial - acabando depois na Lua, onde um grupo de viajantes de Orley se vê subitamente confrontado com uma ameaça mortífera.

CALEIDOSCÓPIO 31

EFEMÉRIDES – Dia 31 de Janeiro
C.W. Grafton
(1909-1982)
Data do falecimento de Cornelius Warren ("Chip") Grafton. Nasce na China, filho de pais missionários americanos. Estuda jornalismo e estudos jurídicos. Em 1943 publica o primeiro livro The Rat Began to Gnaw the Rope, com o qual obtém o Mary Roberts Rinehart Award, para o melhor romance do ano. Em 1944 publica The Rope Began To Hang The Butcher e em 1950 Beyond A Reasonable Doubt. Os dois primeiros livros têm como narrador/protagonista o detective/jurista Gilmore Henry. Grafton deixou um manuscrito para um terceiro romance da série Gil Henry The Butcher Began to Kill the Ox que nunca chegou a ser editado. Os títulos desta série correspondem a uma lengalenga infantil.






UM TEMA — A NARRATIVA DE ESPIONAGEM
Lado a lado ou constituindo apenas um dos ramos da grande árvore do género policiário (tanto se confundem), a narrativa de espionagem tem um decurso paralelo e inter-relacionado com o uso do espião. Curiosamente, ou não, talvez na fatalidade do livro mais distinguido no mundo, onde nada parece faltar, é na Bíblia que vamos encontrar a primeira referência à espionagem. Moisés, conduzindo os hebreus após o êxodo do Egipto, não encontra mais do que inóspitos desertos para acolher o seu povo. Envia espiões às Terras de Canaã em reconhecimento local. Os fins justificam os meios… aliás, não será a espionagem um acto tão antigo como a existência humana? Eva espiava Adão para encontrar o ponto vulnerável, o homem primitivo espiava para atacar o lado mais débil da caça ou de outros homens.
Cipião (236-183 a.C.) mandou espiar Aníbal para forjar a estratégia de vitória. Ramsés II (séc. XIII a.C.) usou da inteligência e arte da espionagem para vencer os hititas, Alexandre Magno, Ciro, Júlio César Augusto seguiram o exemplo. Mitrídates, Teodorico, os cruzados da Idade Média, reis e vassalos dos estados modernos e contemporâneos mantiveram e mantêm hordas de espiões, a pouco e pouco preparados, criaram serviços organizados de espionagem e contra-espionagem. Hoje, utilizando a experiência adquirida e os meios adequados. Grandes e prósperas organizações: CIA, Deuxième Bureau, KGB ou NKWD, Intelligence Service, OSS, Sûreté, FBI, NSA, M-16 etc. etc… a verdadeira expressão para definir a espionagem actual, é que se trata de um verdadeiro iceberg, uma enorme montanha de gelo cuja parte visível sobre a água parece inocentemente inútil, mas a grande massa dura e perigosa permanece invisível. É deste fenómeno que a narrativa de espionagem se alimenta.
O primeiro romance deste ramo cabe a James Fenimore Cooper, nascido em 1789 (EUA), que publica em 1821 O Espião, uma abordagem patriótica às andanças de um mensageiro do general Washington.
Rudyard Kipling leva a espionagem à Índia com Kimba (1901), Doyle põe Sherlock Holmes a resolver O Caso Naval (1889), mas descritivamente, com maior acerto, só Joseph Conrad com O Agente Secreto (1906) nos dá uma verdadeira dimensão narrativa do tema. Em termos latos — este texto é uma abertura ao tema — passando por dezenas de autores que mereceriam citação, até ao maior êxito comercial, que representa o incrível James Bond, até ao frio Mr Smiley de John Le Carré, vai um mundo extraordinário de literatura de espionagem
M. Constantino


CONTO — O PLANO SECRETO
O conto apresentado, de um autor desconhecido Tex Ritter, foi publicado em 1946 ou 1947. Serve para divulgação do tema, que também têm cultores portugueses que serão futuramente referenciados.
Um ponto luminoso surgiu subitamente na tela do radar, momentos depois o uivo das sirenes cortou o ar da Base Digger. A incursão dos bombardeiros japoneses intensificara-se nos últimos dias, mas a floresta camuflava inteiramente a acumulação de munições que durava há meses, tendo em vista a projectada ofensiva geral. Mesmo assim os japoneses sobrevoavam o acampamento, demonstrando que se mantinham alerta.
Pouco depois o uivo das sirenes morreu e deu lugar ao sinal de tido bem. O avião foi identificado como americano e regressava à base após um voo de reconhecimento. No radar o ponto luminoso aumentou sobre o mar azul do Pacífico e o avião aterrou. O piloto permaneceu a bordo enquanto o técnico entregava um envelope endereçado ao Departamento de Observações e continha filmes tirados ao longo da frente, situada 65 quilómetros a norte. O avião manobrou para entrar no hangar, enquanto o filme revelado era examinado… O tenente-coronel Wertenbaker olhou a tela onde se projectava uma imagem ampliada e franziu a testa intrigado. Sabia que o inimigo era feroz e dele tudo havia a esperar. Apanhou uma vara e apontou um ponto da projecção.
— O que é isto? Perguntou.
O major Herb, que olhava para o outro ponto da projecção, voltou a atenção para o ponto assinalado.
— Sim esse ponto não se encontrava aí a semana passada.
Herb retirou um filme do arquivo e colocou-o no projector, procurando o reflexo da água agora detectado; não existia.
— Eu já sabia. — Grunhiu Wertenbaker
— Uma vez que é um génio, diga-me o que significa esse reflexo na água — disse Herb Berkker.
O coronel estudou o filme, substitui-o pelo outro e respondeu:
— Isto pode ser obra da chuva, tem chovido bastante…
— É engraçado, recebi um relatório de manhã que comunica que as nossas provisões de água têm diminuído bastante, apesar da chuva. Atalhou Herb.
Wertenbaker sacudiu a cabeça:
— Pode ser um detalhe sem importância, aliás temos assuntos mais importantes a tratar, mais tarde voltaremos ao filme.
— Quem sabe se Joe Fannel do Serviço de Inteligência, não poderia tratar do assunto considerou Herb.
— Está certo, remeta-lhe tudo para que o estude.
Uma pequena aeronave voltou ao local e três horas mais tarde o tenente Joe Fannel recebia novos filmes que estudou em detalhe e conferenciou com o seu capitão. Segundo ele, o ponto do manancial de água coincidia com o local em que seria desencadeada a ofensiva geral. Para Fannel era um achado importante, vital mesmo para a ofensiva já marcada. Pediu um avião para o levar até ao local assinalado no mapa e algum material. Tencionava esconder-se na floresta e iria ao encontro das tropas leais, na ofensiva, acrescentando:
— Os japoneses encaram esta guerra seriamente e eu também. Eles sabem que preparamos uma ofensiva e também onde vai começar!
Quando anoiteceu um avião conduziu Fannel próximo das linhas inimigas e a cerca de 1200 metros de altura, lançou-se em pára-quedas, com uma pesada mochila sobre os ombros.
A ofensiva teve lugar dez dias decorridos, a cerca de 6,5 quilómetros da represa de água. Vindos da costa, os bombardeiros americanos atacavam a retaguarda das posições inimigas. Ao sul da cadeia de montanhas defendidas pelos japoneses encontrava-se o vale, o único ponto de acesso a estas defesas, e foi por ali que a infantaria atacou. Enquanto os soldados avançavam, aviões, tanques pesados, e morteiros estabeleciam uma barragem de fogo. Surgiu então da floresta um homem roto e barbado que alegou ser o tenente do Serviço de Inteligência das forças armadas americanas. Levado ao quartel-general, Joe Fannel prestou continência e sentou-se cansado. Sorriu e disse:
— Há dez dias que estou aqui, major, para me desincumbir da missão que o senhor e o coronel Wertenbaker me deram. A pequena represa encontra-se na foto, major. O senhor e o coronel achavam que era uma lagoa formada pela água da chuva, mas eu relacionei-a com a diminuição das correntes no sul, e estava certo. Os japoneses construíram um dique de cimento armado. O seu plano era acumular água na represa e quando as nossas tropas avançassem e alcançassem o vale, dinamitavam a represa.
— Quer dizer se…
— Isso. Seria, se o plano fosse bem sucedido, mas há dois dias abri um buraco no dique e a água escoou antes de os nossos homens chegarem.

30 de janeiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 30

EFEMÉRIDES – Dia 30 de Janeiro
Jorge Reis - (1926-2005)
Pseudónimo de Atilano dos Reis Ambrósio. Nasce em Vila Franca de Xira. Vive em França durante muitos anos, onde estuda. Exerce várias profissões, desde tipógrafo, empregado fabril, jornalista e bibliotecário. É igualmente redactor de uma revista francesa. Inicia a actividade literária na Gazeta de Coimbra e revista Vértice. A sua estreia no policiário, Matai-vos Uns aos Outros, com prefácio de Aquilino Ribeiro recebe o prémio Camilo Castelo Branco 1967.
Este livro é publicado pela primeira vez em 1961, pela Prelo, nº3 da Colecção Autores Portugueses; tem várias edições. O Círculo de Leitores e a Editorial Caminho também publicam este livro. A edição mais recente é de 1988 da Vega Editora.




Clara Pinto Correia - (1960)
Nasce em Lisboa. Bióloga, historiadora das ciências, professora e investigadora tem larga experiência de escrita na área da sua especialidade. Escreve em 1985 um livro policiário Adeus Princesa, cuja acção se passa no Alentejo com a morte de um mecânico alemão na Base Aérea da Nato, em Beja. Criando ficção dentro da realidade, o romance deve ser considerado como um marco na moderna literatura policiária portuguesa.
Adeus Princesa é editado pela Relógio D'Água na colecção Crime Imperfeito.

Margaret Yorke (1924)
Margaret Beda Nicholson nasce Compton, Surrey – Inglaterra. Durante a 2ª Guerra serve na Woman's Royal Naval Service. Assistente na biblioteca de duas universidades de Oxford, é a primeira mulher a trabalhar na Christ Church Library Em 1979 e 1980 é a presidente da Crime Writers' Association. Publica em 1957 Summer Flight um romance mistério e até 2000 escreve mais de 40 livros; como contista tem uma boa série de narrativas, reunidas em colecções.
Em 1970, cria o personagem Patrick Grant, herói de uma série de romances:
1 - Dead in the Morning (1970)
2 - Silent Witness (1972)
3 - Grave Matters (1973)
4 - Mortal Remains (1974)
5 - Cast for Death (1976)
No Medals for the Major (1974) é considerado o seu melhor romance e foi editado em Portugal em 1991 pela Ulisseia, nº 20 da Colecção S.A., com o título A Provação do Major Johnson. Estão também publicados cerca de duas dezenas de outros livros da autora por diferentes editoras com destaque para as
Publicações Europa-America na Colecção Livros de Bolso, série Clube do Crime e na Colecção Obras de Margaret Yorke.













 

UM TEMA — ESPIONAGEM – ESPIA POR AMOR À PÁTRIA
Quando se alude a espias famosas, desde logo, entre centenas, um nome surge: Mata Hari. Todavia, não será assim. Mata Hari conquistou realmente a celebridade nos anais da espionagem e literatura biográfica, crítica e de ficção, contudo o seu desempenho como espia é medíocre, quando comparado com a acção de Louise de Bettignies (Adolfo Coelho in Espionagem – Segredos da Grande Guerra). Enquanto o interesse ou a escravidão de um passado pouco limpo são determinantes que impelem a maioria das espias na 1ª Grande Guerra Mundial (1914-1918), Louise moveu-se pelo amor à pátria, dedicação irreprimível da aristocrata que se não fosse a guerra, teria sido freira.
Louise Marie Jeanne Henriette de Bettignies nasceu a 15 de Julho de 1880, pertencia a uma velha família de Hainaut e podia orgulhar-se de uma sólida ascendência fidalga. Diplomada pela Universidade de Oxford, falando com perfeição inglês, italiano alemão, além da sua própria língua, o francês.
Estava em Lille, em casa da mãe, quando em Outubro de 1914 o exército alemão se apoderou da cidade. No desejo imperioso de aspirar o ar da França livre, parte para a Holanda e daí para Inglaterra. Num apertado interrogatório dirigido pelas autoridades inglesas, que procuram informações acerca do inimigo, mostra-se de tal modo observadora, que lhe propõem a entrada para o serviço de espionagem britânico. Pede para reflectir e aceita a missão desde eu trabalhe junto do serviço francês de espionagem. Volta a França e, após consultar o seu director espiritual, decide aceitar a missão. Antes, patrioticamente, oferece-se para os serviços secretos franceses, mas é olhada com desconfiança pelos compatriotas, pelo que cumpre os serviços à ordem dos britânicos. A aristocrata, educada Bettignies, passa a ser a anónima cidadã Alice Dubois.
Vezes sem conta atravessa a fronteira da Holanda, frequentemente vigiada dirige-se a Lille munida de elementos para organizar os serviços de informação na região, o que consegue. Com energia incomum percorre a região, conquista dedicações e colhe resultados eficientes. Disfarçada de camponesa atravessa fronteiras para levar valiosas notícias e documentação precisa, transpõe barreiras de arame farpado, iludindo a luz dos fortes projectores, detectando na escuridão os fios dissimulados de alta tensão. Memorizando um mapa numerado consegue através de um pequeno hieróglifo riscado numa carruagem do caminho-de-ferro belga, indicar a localização de baterias inimigas que no dia seguinte serão atacadas e irão pelos ares.
Junto de Alice, uma outra mulher, Marie-Léonie Vanhoutte (ou Charlotte Lameron) desnorteia os serviços secretos alemães. Mas a roda da fortuna desanda. Marie é presa em Bruxelas e Alice arisca tentar salvá-la. Astuciosamente com um único salvo-conduto, que depois de lhe servir para atravessar um posto de guerra é enviado à companheira, por um garoto, para que esta passe também. Riem-se da partida, intempestivamente, pois estão a ser observadas por dois agentes que lhes pedem a identificação. Agora juntas eram impossível repetir o truque, foram presas.
Condenadas à morte em 1916, Louise escreve ao general Von Bissing pedindo o perdão para Marie, assumindo toda a culpa. O general não acede mas comuta-lhe a pena em prisão. Pior do que a morte, Louise teme a clausura, contrai febre tifóide e morre em 27 de Setembro de 1918.
É posteriormente agraciada pelos serviços franceses e ingleses com várias distinções honorificas. Marie sobrevive e é libertada com o Armistício e também ela é feita Cavaleiro da Legião de Honra.
M. Constantino

29 de janeiro de 2012

NOVIDADES - MAIS LIVROS

Mais alguns livros lançados em Janeiro.
Alguns ainda não chegaram às livrarias, mas a sua compra é possível, ou já está agendada online.
A Visita Inesperada


A Visita Inesperada de Agatha Christie editado pela Asa. É uma adaptação de Charles Osborne em 1999 de uma peça de teatro das 14 escritas pela rainha do crime. Segundo Os Cadernos Secretos de Agatha Christie, as primeiras notas da escritora sobre A Visita Inesperada estão datadas de 1951, mas esta peça em 3 actos só viria a ser representada em 1958
Sinopse (Wook)Numa noite de nevoeiro cerrado, o carro de Michael Starkwedder despista-se numa estrada rural. Em redor, há apenas uma casa isolada. Quando Michael se aproxima para tentar pedir ajuda, o cenário com que se depara é arrepiante: numa cadeira de rodas, jaz o cadáver de um homem; a seu lado, está uma atraente mulher com uma arma na mão. A solução do caso parece simples, não fosse o facto de o morto ter uma longa lista de inimigos. Michael percebe que está perante o cadáver de um monstro. Quem de entre os muitos alvos da sua malvadez poderá ter cometido o crime? A resposta pode estar dentro da própria casa e dos seus inúmeros suspeitos…


O Jogo da Verdade

A editora Clube de Autor tem agendado para dia 31 o lançamento de O Jogo da Verdade de David Baldacci. Esta editora publicou o primeiro livro do escritor Conspiração do Silêncio em Março de 2011.
Escreve a editora: David Baldacci está de volta em 2012. O Jogo da Verdade, uma história intensa e perigosamente plausível sobre o mundo em que vivemos, vai estar disponível em todas as livrarias no final do mês de Janeiro. David Baldacci é o maior autor do thriller internacional, com mais de 100 milhões de exemplares vendidos.
Do site da Fnac:
O novo romance de David Baldacci põe a descoberto os interesses económicos que manipulam o nosso mundo.
Para quê perder tempo a descobrir a verdade quando se pode criar uma tão facilmente?
A imagem de um homem a ser torturado irrompe pela Internet e propaga-se rapidamente. A imagem transformada em notícia desencadeia uma série de eventos e, em pouco tempo, o mundo é confrontado com uma séria ameaça.
Um thriller emocionante, intenso e credível sobre o que faz girar o mundo.
Sinopse (Wook)
Nicolas Creel é um homem com uma missão. A sua empresa de armamento enfrenta uma crise e ele arrisca tudo para assegurar o negócio por muitos e muitos anos. Creel põe em marcha um ambicioso jogo, criando e manipulando eventos e conflitos, contando com a ajuda do experiente Dick Pender, gestor da percepção. Os dois lançam na Internet o vídeo de um homem a ser torturado, que desencadeia uma série de eventos à escala internacional. De repente, não se fala de outra coisa e o mundo é confrontado com uma nova ameaça, relegando o terrorismo islâmico e outros conflitos para o esquecimento. Alheio aos jogos que manipulam as principais nações, Shaw, o herói de A Conspiração do Silêncio, só tem um desejo: abandonar a agência secreta para a qual trabalha para se casar. De uma forma inesperada, a sua vida pessoal colide com os planos de Nicolas Creel. E enquanto as nações se aproximam cada vez mais de um conflito aberto, Shaw não descansará enquanto não descobrir toda a verdade, naquela que poderá ser a batalha mais perigosa de todas…

CALEIDOSCÓPIO 29

EFEMÉRIDES – Dia 29 de Janeiro
Harold Q. Masur
(1909-2005)
Nasce em Nova Iorque. Advogado de formação, serve na US Air Force, que abandona nos anos 40; começa a escrever muito cedo para os pupls policiários. Publica o primeiro romance em 1947: Bury Me Deep; escreve um total de 15 livros policiários e numerosos contos, recolhidos em várias colecções. O seu personagem principal é o advogado nova-iorquino Scott Jordan, que chegará a magistrado público em 1984 com o romance The Morning After. Harold Q. Masur é Presidente de The Mystery Writers of America em 1973/74.



Bibliografia - Série Scott Jordan:
1 - Bury Me Deep (1947)

2 - Suddenly a Corpse (1949)
3 - You Can’t Live Forever (1951)
4 – So Rich, So Lovely, and So Dead (1952)
5 – The Big Money (1954)
6 - Tall, Dark and Deadly (1956)
7 - The Last Gamble também publicado como The Last Breath e Murder on Broadway (1958)
8 - Send Another Hearse (1960)
9 - The Name Is Jordan (1962) short stories
10 – Make a Killing (1964)
11 – The Legacy Lenders (1967)
12 - The Mourning After (1981)
Outros livros:
13 – The Last Breath (1958)
14 - The Attorney (1973)
15 - The Broker (1981)

Em Portugal, o conto Papazinho fez parte da antologia 43 Autores Violentos do Conto Policial, o nº7 Colecção Antologia Policial, publicada pela Ibis em 1965 (2ª Edição)
Também foram editados vários livros, por diferentes editoras, por vezes com um título diferente para a mesma obra original.
A Mulher dos Olhos Cinzentos (1958), Minerva, Colecção Xis nº74, (Bury Me Deep)
Ninguém é Eterno (1959), Minerva, Colecção Xis nº87 (You Can’t Live Forever)
Alta, Morena e Fatal (1959), Minerva Colecção Xis nº92, (Tall, Dark and Deadly)
Tão Rica, Tão Bela e... Morta (1960), Minerva, Colecção Xis nº98, (So Rich, So Lovely, and So Dead)
A Última Cartada (1961), Minerva, Colecção Xis nº112, (The Last Gamble)
Uma Visita Macabra (1962), Século, Colecção: As Grandes Obras de Mistério e Acção (Suddenly a Corpse)
Dinheiro Fatal (1964), Minerva, Colecção Xis nº143, (The Big Money)
Sepultem-me Bem Fundo (1964), Ibis, nº7 Colecção Rififi, (Bury Me Deep)
Cadáver Inesperado (1965), Ibis, nº20 Colecção Rififi, (Suddenly a Corpse)
Choque de Ambições (1967), Minerva, nº168 Colecção Xis
Mercadores de Heranças (1970), Minerva, nº192 Colecção Xis, (The Legacy Lenders?)




UM TEMA — LITERATURA: NARRATIVA DE TERROR: BREVE REFLEXÃO
No princípio era o verbo… frase notável.
Nos remotos tempos só a palavra existia: para transmitir sensações. As histórias eram cantadas, narradas, representadas pela dança, pela pintura nas paredes das grutas, nos riscos da areia húmida… Eram transcrições utilizadas para exorcizar, basicamente o medo. Os traços das estrelas no céu, o medo da escuridão, da seca, da doença, do desastre, da fome, da morte… apontavam e evocavam demónios reais e imaginários. Os demónios inspiram o horror, sentimentos de medo interior entram no espírito e gelam o sangue…
Transporta-se de século para século de forma verbal, até que chega a palavra escrita, passados milénios: na pedra rija, no tijolo preparado, no papiro, no papel. É uma nova dimensão para a narrativa. Uma existência independente do narrador, sobrevive e espalha-se pelo mundo.
Mudam-se os métodos narrativos, mas as histórias de terror são imutáveis; o medo é do incognoscível é o artista que domina o palco, o público e a mente.
Em tempos idos, com as tétricas lendas medievais eram o lúgubre ambiente das noites tenebrosas dos castelos fantasmagóricos, o cheiro do enxofre do senhor dos infernos, os mortos-vivos vampiros atravessando a terra das tumbas sedentos de sangue, monstros atemorizadores sem conta, peso e medida. Hoje o narrador moderno modera a descrição e apresenta-o em múltiplas formas, como uma ciência material, onde se distinguem três correntes essenciais:
A alegoria moral, a metáfora psicológica e o fantástico.
No primeiro grupo destaca-se o sobrenatural, ou melhor o encaixe do mal sobrenatural no quotidiano geral, o segundo recai sobre a psicologia humana em forma de metáforas ou efeitos científicos e a terceira corrente citada explora o anormal. Nenhuma delas enjeita a aproximação às correntes congéneres, já que não se pode pôr limites ao fantástico, que a par do maravilhoso, continua nos modelos modernos.
O medo a que chamamos terror, estranho e inconcebível tem a sua própria estética e só aguarda uma tensão ideal para se manifestar,
Lembramos os góticos Lewis, Radcliffe, Walpole, os românticos Byron, Keats, Shelley, os imaginosos Poe, Le Fanu, Dickens e progressivamente, Doyle, Jacobs, M. R. James, Wills, Lovecraft… até aos modernos Clive Barker, Koontz e Stephen King.

CONTO — VÍCIO SOLITÁRIO
O autor do presente conto, Marcel Bealu, é um cultor da área fantástico – terror.
No hotel onde me hospedara, o meu maior prazer consistia em espiar o que sucedia nos quartos da frente. Oculto pela sombra, todas as noites experimentava inúmeras satisfações com tais vigílias: um rosto em oferenda, que duas persianas recobriam como pedra de um túmulo, um braço nu mergulhando pelas águas negras de um cortinado, uma cabeleira arrancada aos remoinhos da noite. Não me entregaria a um divertimento tão só visual se, em determinada noite, os reflexos fugidios do mistério de que me rodeava, não acabasse por despertar em mim a mais enlouquecida das paixões. Solitária como eu, vivia ali uma mulher. Por vezes cantava, e eu, do meu observatório, escutava, febril, os sons que me chegavam. Outras, vi-a sentada no toucador… acontecia trincar os lábios para não gritar o meu deseje de vê-la mais perto. Sucedeu, porém, que certa noite, esquecendo a minha cela de sombra, aproximei-me; interpretei como um apelo alguns gestos desacostumados. Ainda que tivesse fixado a localização exacta do quarto, com alguma hesitação bati à porta daquele onde tantas vezes sonhara entrar. Não houve eco de resposta. Movido pela audácia do desejo, receando atrair a atenção dos vizinhos, deixei cair a mão e empurrei a porta. Estava nua e parecia adormecida. A aberração do meu espírito fez-me acreditar num estratagema ingénuo do amor, ao qual liguei desde logo o meu consentimento. Foi preciso que tivesse perdido o domínio de mim mesmo para não reflectir na estranheza de um tal excesso. A face voltada, inundada de sombra parecia animar-se nas convulsões do prazer. Olhei com maior atenção e apercebi-me de que só eu imprimira movimento ao rosto inerte, como de resto a todo o corpo e sacabara de fazer amor com uma morta. Repentinamente morta também a minha paixão. Fiquei apavorado. Em que terrível aventura me afundara. Tinha de fugir depressa. Mas já soavam passos pelo corredor, a porta abria-se e eu gritava no auge da minha angústia: Não fui eu, não fui eu! Não fui eu!

28 de janeiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 28

EFEMÉRIDES – Dia 28 de Janeiro
S. H. Courtier (1904-1974)
Sidney Hobson Courtier nasce em Kangaroo Flat, Victoria-Australia. Começa a escrever policiários em 1950 com The Glass Spear, protagonizado pelo Inspector Ambrose Mahon, uma série que tem um total de sete livros. Em 1957 apresenta o Inspector Digger Haig em Now Seek My Bones, uma série também com um total de sete títulos publicados. Escreve ainda os seguintes romances policiários:
Softly Dust the Corpse (1960), Who Dies for Me? (1962), Murder's Burning (1967), Ligny's Lake (1971), Some Village Borgia (1971), Dead If I Remember (1972), Into the Silence (1973), Listen to the Mocking Bird (1974), Window in Chungking (1975), The Smiling Trip (1975).






Tim Heald (1944)
Timothy Villiers Heald nasce em Dorchester, Dorset, Inglaterra. É escritor, biógrafo e jornalista, também utiliza o pseudónimo David Lancaster. Inicia a actividade de escritor em 1973 com um romance finalista do New Blood Dagger Award. Este livro é o primeiro de uma série protagonizada por Simon Bognor, um investigador especial que é um anti-heroi. A série Simon Bognor tem 12 títulos publicados: Unbecoming Habits (1973), Blue Blood Will Out (1974), Deadline (1975), Let Sleeping Dogs Die (1976), Just Desserts (1977), Murder at Moose Jaw (1981), Masterstroke também editado com o título Small Masterpiece (1982), Red Herrings (1986), Brought to Book (1988), Business Unusual (1989), Death in the Opening Chapter (2011) e Poison at the Pueblo (2011). Tim Heald cria ainda uma outra série com o Doctor Tudor Cornwall, um professor universitário de Estudos Criminais, na Universidade de Wessex. Estão editados numa trilogia: Death and the Visiting Fellow (2004), Death and the D'urbervilles (2005) e A Death on the Ocean Wave (2007).








UM TEMA — LITERATURA: DO CONTO DE FADAS AO POLICIÁRIO
Durante séculos a narrativa de aventuras conservou um estilo de uma lenda ou de um conto de fadas, o maravilhoso e o fantástico. A imaginação dos nossos antepassados não estava controlada por uma razão obcecada pela ideia probatória e confundia o impossível com o proibido. Pouco a pouco a experiência fez retroceder o âmbito da efabulação. Os deuses desertaram da Terra. Ficou menos terreno para conquistar. O paladino, a donzela e o malvado, figuras eternas do relato de aventuras, acercaram-se dos mortais. Havia chegado o momento de por em questão as raízes da fábula, o estranho e a suspeita. A imaginação teve de alterar as suas próprias criações. Assim acaba o maravilhoso fantástico, por triunfo da razão, outro aspecto do maravilhoso moderno, mais consciente, mais refinado: o maravilhoso lógico. A inteligência começa a ser usada de forma arrojada, a narrativa de aventuras transforma-se em narrativa policiária. Com efeito é a lógica a encarregar-se de criar o maravilhoso moderno, porque é ela que resolve os problemas. Se a imaginação não se apoia no raciocínio, não disporá de um grão íntimo da faculdade de surpreender. A surpresa é um dado certo dos enigmas subtis. A lógica é uma espécie de talismã: prevê ameaças, descobre complôs e detesta intenções escondidas. Observa os personagens, e o conflito que opõe o bem ao mal, suscita angústia que ela mesmo colmatará mais tarde. Este dogma é o suporte necessário da narrativa policiária, há que destacá-lo. Entre o polícia e o leitor, entre o detective e as potências do mal, o raciocínio integrou-se na ficção na mesma medida em que se cria e dissimula o mistério. O âmbito insólito da narrativa policiária dá mais magia, impõe-se; só há um meio de escapar ao feitiço, convertermo-nos em artesão maravilhado da nossa própria ansiedade.
A presença perversa de um hábil assassino consegue o que não é provável na proliferante e obscura mitologia dos deuses. O momento em que a bala assassina ou uma faca vibra, fixa-se como uma realidade. Assim consegue uma ansiedade instintiva, sabendo que é um medo construído mas surpreendente, também um desafio à reflexão, à vontade de compreender… faz poesia pura, a descoberta, o aspecto inocente e o quotidiano das coisas.
Diga-se: a imaginação não renunciou à sua função fabuladora, instruída pela razão viaja até os limites do plausível e do verosímil.
Entretanto, as leis da narrativa policiária pressupõem:
1º - Deve haver, entre o mal e o raciocínio, um equilíbrio de tal forma doseado que a um máximo de perturbação corresponde sempre um máximo de perturbação lógica;
2º - É preciso que os enigmas propostos ao detective sejam ao mesmo tempo difíceis provas da sua capacidade;
3º- O estilo deverá valorizar situações dramáticas, delicadamente organizado graças à sua progressão lógica. Assim foi concebido pelo inovador Edgar Allan Poe.
(texto concebido a partir de uma tradução livre de um escrito de Thomas Narcejac. Representa uma introdução à Cronologia da Narrativa Policiária, pelo que continuará num próximo dia…)

M.Constantino

27 de janeiro de 2012

NOVIDADES 2

A divulgação de novidades editoriais, ou reedições de ficção científica e policiária têm também lugar no Policiário de Bolso. No futuro, a nossa intenção é dar aqui a informação na hora.
Hoje apresentamos a relação dos livros lançados durante o mês de Janeiro.


Hiperligações: a cor de laranja.



Dinheiro de Sangue


Dinheiro de Sangue, Bloodmoney no original publicado pela Bertrand Editora é o oitavo livro de David Ignatius, jornalista e escritor norte-americano.
Sobre David Ignatius, escreve a editora:
Estudou em Harvard e no King's College, em Cambridge. Actualmente colunista do Washington Post, faz a cobertura da CIA e do Médio Oriente há vinte e cinco anos, desempenhando, em diversos momentos, as funções de repórter, correspondente no exterior, editor e colunista. Está também à frente do projecto PostGlobal, uma discussão online sobre assuntos internacionais, com um colega da Newsweek.
Deste autor, também com chancela da Bertrand, na colecção Grandes Romances, estão publicados entre nós os seguintes thrillers:
Corpo de Mentiras (2008)
Os Agentes da Inocência (2008)
Corpo de Mentiras (2010)
Jogo Duplo (2010)
Sinopse (Editora)Alguém no Paquistão anda a matar os membros de uma unidade de inteligência da CIA que tenta comprar a paz aos inimigos da América. Cabe a Sophie Marx, uma jovem agente, descobrir os culpados e as suas razões. O seu ponto de partida é Londres, mas a investigação não tarda a alargar-se a vários outros pontos do globo. Sophie parece ter um forte apoio de várias frentes, mas, à medida que se aproxima do cerne da questão, começa a perceber que nesta galeria de espelhos nada é aquilo que parece ser. Encontra-se perante um teatro de violência e vingança, do qual não poderia sequer ter imaginado o último acto. Um romance inquietante e envolvente em que o preço das políticas adoptadas é pago com sangue e a paz só é possível através da traição.

Site Oficial do autor (em inglês):
http://www.davidignatius.com/index.html





Anjos da Neve


A Porto Editora publicou agora, na Colecção Alta Tensão o primeiro livro de James Thompson, escritor nascido nos Estados Unidos mas a viver em Helsínquia há dez anos o que coloca este autor no novo grupo dos escritores policiários nórdicos. Anjos da Neve, no original Snow Angels (2010), é o primeiro livro da série Inspector Vaara.
James Thompson escreveu já Lucifer's Tears (2011) e está previsto para o próximo mês de Março o lançameto de Helsinki White (2012), o terceiro livro desta série.
Sinopse (Editora)O Inspector Kari Vaara é o protagonista deste romance que nos leva ao submundo violento e obscuro da Finlândia, onde a noite polar, kaamos, é a época mais lúgubre do ano. Quando uma bela imigrante somali aparece brutalmente mutilada num campo coberto de neve, com uma injúria racista gravada no ventre, Kari Vaara sabe que é crucial manter o crime em segredo, pois este seria um escândalo num país que convive mal com a sua xenofobia.
Por outro lado, as exigências da investigação começam a afectar o seu próprio casamento - Kate, a actual mulher, norte-americana, adapta-se mal à cultura e ao modo de vida finlandês. E o próprio Vaara vê-se inesperadamente confrontado com o passado: as suas suspeitas sobre o assassino da jovem somali recaem no homem por quem a sua primeira mulher o trocou.

Site Oficial do autor (em inglês):
http://www.jamesthompsonauthor.com/site/




Irmã

Irmã foi lançado pela Civilização Editora . Um livro da autoria de Rosamund Lupton, que antes de iniciar a carreira como escritora, era argumentista para cinema e televisão. Tem dois livros publicados, ambos bestsellers: Sister (2010) e Afterwards (2011).

Sinopse (Editora)Quando Beatrice recebe um telefonema frenético a meio do almoço de domingo e lhe dizem que a sua irmã mais nova, Tess, desapareceu, apanha o primeiro avião de regresso a Londres. Mas quando conhece as circunstâncias que rodeiam o desaparecimento da irmã, apercebe-se, com surpresa, do pouco que sabe sobre a vida de Tess – e de que não está preparada para a terrível verdade que terá de enfrentar. A Polícia, o noivo de Beatrice e até a própria mãe aceitam ter perdido Tess, mas Beatrice recusa-se a desistir e embarca numa perigosa viagem para descobrir a verdade, a qualquer custo.

Site Oficial da autora (em inglês):
http://www.rosamundlupton.com/



Os Segredos da Rapariga Tatuada

Os Segredos da Rapariga Tatuada é uma parceria de Dun Burstein, Arne de Keijzer e John-Henri Homberg. É um livro sobre a Trilogia Millennium e sobre o seu autor Stieg Larsson . Foi lançado pelas Edições Asa.

Sinopse (Wook)Através de comentários perspicazes e entrevistas reveladoras, entramos no mundo singular de Lisbeth Salander, Mikael Blomkvist e do próprio Stieg Larsson, descobrindo as fascinantes experiências da vida do autor e os incidentes à volta da vida política sueca, da violência sobre as mulheres e dos movimentos neonazis que estão no centro da obra de Stieg Larsson. O que torna Lisbeth Salander tão especial e inesquecível? Porque é que pessoas dos mais variados quadrantes sociais e diferentes preferências consideram a Trilogia Millennium tão fascinante? Quais os motivos de tanta especulação - e qual é, afinal, a verdade - sobre a trágica morte de Stieg Larsson aos cinquenta anos, imediatamente antes da publicação da trilogia, e a amarga batalha em volta da sua herança? Quais eram as ideias de Larsson para o quarto livro? Terá deixado pistas para os restantes livros da série de dez que pensara escrever?

NOVIDADES 1

A divulgação de novidades editoriais, ou reedições de ficção científica e policiária têm também lugar no Policiário de Bolso. No futuro, a nossa intenção é dar aqui a informação na hora.
Hoje apresentamos a relação dos livros lançados durante o mês de Janeiro.

A Grande Arte



A Sextante Editora acaba de editar mais um livro de Rubem da Fonseca, A Grande Arte. Rubem da Fonseca, 85 ano, é considerado como um dos maiores escritores brasileiros contemporâneos. Uma narrativa rápida e cinematográfica, uma escrita perspicaz, cáustica e por vezes desconcertante que envolve e agarra o leitor logo no início.
A Sextante editou deste autor O Seminarista (2010) e Bufo & Spallanzani (2011). Com esta obra Rubem Fonseca é um dos finalistas do Prémio Literário Casino da Póvoa deste ano.

Sinopse (Editora)
O assassinato de duas prostitutas, no Rio de Janeiro, que, de início, parece obra de um maníaco sexual, abre uma caixa de Pandora de onde vão brotando, no decorrer de uma ação trepidante, as complexas ramificações de um tenebroso sindicato do crime. A história passa-se em boîtes e bares sórdidos, em sumptuosas mansões do Rio, em vilarejos da fronteira entre a Bolívia e o Brasil, onde reinam a cocaína e o crime, bem como na interminável viagem de um comboio que percorre metade do Brasil com couchettes que rangem sob o peso de casais fazendo sexo. Do posfácio de Mario Vargas Llosa.

Sacanas Com Lei

Sacanas Com Lei de Rosa Ramos e Sílvia Caneco publicado pela Oficina do Livro é apresentado como: Justiça e contos do vigário: as grandes histórias dos pequenos criminosos no banco dos réus.Segundo a Oficina do Livro:
Rosa Ramos nasceu em 1983. Trabalhou no jornal O Interior da rede Expresso, na Covilhã e, mais tarde, na Guarda. É jornalista no i desde 2009, ano da fundação do diário. Em 2011 lançou Padre Motard – Boas curvas… se Deus quiser, editado pela Estrela Polar. Sacanas com Lei é o seu segundo livro.
Sílvia Caneco nasceu em 1984. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social, começou a trabalhar como jornalista no Região da Nazaré. Estagiou no Público e colaborou com a Pública e Grande Reportagem. É actualmente jornalista do i, onde trabalha desde a fundação. Sacanas com Lei é o seu primeiro livro.

Sinopse (Leya)Michel agrediu um polícia e chamou-lhe veado, António conduzia com uma taxa de alcoolémia de 1.7 porque tinha mesmo de levar umas amigas a casa, Carlos furou um depósito para roubar gasolina, Rodica tentou desviar 490 euros em roupa de uma loja, Mihai passeava no centro comercial com uma faca de vinte centímetros embrulhada num jornal... Todos os dias, de segunda a sexta-feira, a partir das dez da manhã, vagas de pequenos criminosos acorrem à zona OrieJustificar completamentental de Lisboa. Não para praticar delitos, mas para responder por eles. É aí que fica o Tribunal de Pequena Instância Criminal, onde as jornalistas do i Rosa Ramos e Sílvia Caneco testemunharam, ao longo de vários meses, dezenas de histórias mirabolantes do pequeno crime à portuguesa. Com protagonistas reais de uma imaginação ilimitada, tanto na hora do crime como perante a justiça, este é um livro onde o humor e a desgraça entram em choque - mas o humor acabar por vencer.

CALEIDOSCÓPIO 27

EFEMÉRIDES – Dia 27 de Janeiro
Lewis Carroll
(1832-1898)
Charles Lutwidge Dodgson nasce em Daresbury, Halton, Cheshire – Inglaterra. Lewis Carroll é pseudónimo literário deste matemático, fotógrafo e escritor. É educado na Universidade de Oxford, onde mais tarde é professor de matemática; é ordenado diácono pela Igreja Anglicana em 1832. De carácter tímido e bondoso vê o seu grande valor matemático ultrapassado pelo mérito da palavra escrita. Como escritor é um marco da literatura de fantasia e uma referência entre os grandes da Literatura Universal. Alice no País das Maravilhas (1865) e Alice do Outro Lado do Espelho (1871) são obras-mestras entre os clássicos. Todavia, se o matemático é ultrapassado pelo escritor, é justo não esquecer os Jogos de Lógica (1886) e Lógica Simbólica (1896) como adestrações intelectuais. Lewis Carroll tem uma paixão por enigmas, e por isso a sua obra literária contém jogos de palavras ou enigmas e é frequente a inclusão de acrósticos na sua poesia. Outra área em que é perito liga-se ao desenvolvimento de códigos e cifras. Entre 1858 e 1875 cria cinco cifras que utiliza na sua correspondência pessoal; todas são baseadas no sistema de substituição, onde cada letra é substituída por outra e a palavra-chave é a base da cifra. O interesse de Lewis Carroll pelos desafios lógicos está bem manifestado em A Tangled Tale (1885) um conjunto de contos curtos e enigmas, publicados pela primeira vez em revistas e posteriormente reunidos em livro.




UM TEMA — LITERATURA: O QUE É LITERATURA DE FANTASIA?
Tal como entendemos, não é possível conceber um conceito de literatura de fantasia, já que em boa verdade toda a literatura é invariavelmente fantasia, em razão dos elementos imaginários que comunica. Só na representação ou intenção se poderá distinguir a realidade empírica que se mostra aos seus sentidos, ainda que copie o que existe, ao contrário da fantasia. Esta, proveniente do latim phantasia significa irreal, quimérico, imaginário. Fantasia aplica-se de forma indiscriminada a qualquer tipo de literatura que não dê prioridade à representação realista, designadamente os contos de fadas, folclore dos mitos, lendas, alegorias utópicas, abrange a ficção científica e o terror. Fantasia representa a violação daquilo que se aceita como possível, implica o exagero ou distorção da natureza, sempre em ruptura da ordem da realidade.
M. Constantino.




CONTO – UM MUNDO MELHOR
O presente conto, com mais de duas décadas, da autoria de Luis Britto Goraz (Brasil?) contem uma tripla vertente:
É um conto de ficção científica;
É uma alegoria
É uma lição de sabedoria destinada àqueles que na vida procuram dispensar o trabalho.

UM MUNDO MELHOR
E conseguiu-se a sociedade perfeita, atenuou-se a loucura da espécie humana e os homens ficaram dispostos a dedicar os seus esforços à consecução de um objectivo.
Então reconheceram que não havia objectivo algum ao qual se pudessem dedicar…
Entretanto, foi idealizado como objectivo a falta de todo o objectivo
Em primeiro lugar, a humanidade que libertar-se do trabalho, e assim se iniciou uma louca correria ao trabalho conjunto destinada ao objectivo — não trabalhar.
Finalmente, todo o trabalho humano foi feito por máquinas, e as máquinas foram construídos por outras máquinas, que por sua vez eram dirigidas por máquinas, assim se libertou a humanidade do trabalho.
Porque todas as faculdades mecânicas do homem, a sua musculatura, os seus membros e as possibilidades de mover-se e de mover objectos, deixaram de se úteis, atrofiaram-se — acabaram por desaparecer.
Em segundo lugar, havia que libertar-se a humanidade da escravatura do alimento.
Todas as potencialidades químicas se implementaram na síntese das proteínas e dos hidratos de carbono a partir de matéria inanimada e do calor, e, finalmente, mediante a energia atómica, força e matéria foram transmutadas nos laboratórios até que formaram a mais apurada — quinta-essência — alimentícia, susceptível de passar directamente ao canal sanguíneo sem prévia digestão.
Como a boca, o estômago, o intestino, o fígado e, em geral, as vísceras deixaram de ter a pesada tarefa de extrair energia dos alimentos, atrofiaram-se e acabaram por desaparecer.
Em terceiro lugar, que libertar-se a humanidade da morte. E os laboratórios eliminaram as toxinas que produziam a degeneração, antes conhecida por velhice, corrigiram os genes que suicídio a partir da matéria orgânica resultante da síntese do protoplasma, e desta a síntese da imortalidade.
Com a desnecessidade de reprodução os órgãos de geração atrofiaram-se e acabaram por desaparecer.
Nesta alvorada do espírito o intelecto, já dono e senhor do Universo, estava capaz de lançar-se à mais audaz das aventuras.
Libertado do trabalho, da fome, do sexo, libertado da morte, o cérebro humano dispunha-se a criar o seu mais potente fruto: aquele que não nascia das vísceras nem do apetite da carne.
Um acontecimento enorme, porém estava por surgir: com efeito, o cérebro humano também deixou de ser necessário, também se atrofiou e também havia acabado por desaparecer.

26 de janeiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 26

EFEMÉRIDES – Dia 26 de Janeiro
Brian Garfield
(1939)
Brian Francis Wynne Garfield nasce em Nova Iorque. É escritor/argumentista de mistérios convencionais e espionagem, com mais de 20 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. Tem a particularidade de utilizar diversos pseudónimos Alex Hawk,Bennett Garland, Brian Wynne, Brian Wynne Garfield, Drew Mallory, Frank O'Brian, Frank Wynne, John Ives e Jonas Ward. Começa a escrever policiários em 1962 com The Rimfire Murders como Frank O'Brian. Em 1966 publica The Last Bridge, a que se segue The Villiers Touch (1970) e posteriormente cerca de quarenta romances e contos. Em 1976 recebe o Edgar Award for Best Mystery pelo romance Hopscotch (1975). Brian Garfield cria dois personagens: Paul Benjamin, um vigilante do Arizona protagonista em Death Wish (1972) e Death Sentence (1975) e Sam Watchman, polícia Navajo protagonista em Relentless (1972) e The Threepersons Hunt (1974).


John Wyllie (1914)
Piloto da RAF e prisioneiro dos japoneses trabalha para a Cruz Vermelha em África.
Vive em Portugal e na Holanda. Escreve os romances policiários: Skull Still Bone (1975), The Butterfly Flood (1975), To Catch a Viper (1977), Death is a Drum… Beating Forever (1977), Pocket Full of Dead (1978), The Killer Breath: A Doctor Quarshie Mystery (1979), Tiger in Red Weather (1980) e Long Dark Night of Baron Samedi (1981).



UM TEMA — ESPIONAGEM
Espiões na Guerra da Sucessão
O primeiro conflito bélico moderno, ou assim considerado, é a guerra de Sucessão Norte-americana (1861-1865). Nesta época a espionagem ainda seguia a tradição romântica, mais espectacular do que eficiente. Não havia um serviço de informação militar ou os que existiam eram péssimos. Assim concluiu o exército do Norte que mostrou a necessidade urgente de um serviço de informação que facilitasse dados sobre as forças confederadas. Houve que improvisar. O Presidente Lincoln encarregou a organização de detectives de Allan Pinkerton do assunto logo, os primeiros Serviços Secretos americanos, foram de índole privada. Pinkerton somou alguns sucessos na contra-espionagem, todavia foi um desastre no território confederado, o que viria a contribuir para a sua dispensa. O maior erro foi a captura da espia sulista Rose Greehow. Esta agente facilitara informações ao general sulista Beauregard, o que lhe permitiu ganhar a batalha de Manassas. Apesar de presa, Rose continua com a sua actividade de espionagem e quando foi posta em liberdade morre afogada ao atravessar um rio.
Outra famosa espia sulista foi Belle Boyd, cuja destreza profissional lhe valeu a alcunha de Cleópatra do Sul. Conseguiu salvar-se ao longo do conflito e acaba por dedicar-se ao teatro e escrever as suas memórias.
Do lado Norte, Elizabeth Van Lew, com residência em Richmond, foi a espia mais famosa. Informadora do General Grant, chegou a colocar uma colaboradora fiel como criada em casa do Presidente da Confederação Jefferson Davis, sem nunca ser descoberta.
Lafayette Baker, um antigo espião, foi encarregado da National Detective Police, o primeiro serviço oficial de segurança dos EUA. LaFayette era responsável pela segurança do Presidente Lincoln e designou para guarda-costas um só agente. Quando Lincoln foi assassinado esse agente estava distraidamente a tomar uns copos fora do teatro. O assassino John Wilkes Booth fugiu, mas foi apanhado e mosto antes que pudesse falar. O presidente assassinado foi substituído pelo vice-presidente Johnson, facto que foi repetido um século mais tarde em Dallas, como que seguindo um imaginário guião de destino.
A conjuração contra Lincoln dá início a uma turva situação política dos serviços secretos, não chegando a perceber-se se correspondem aos interesses do governo ou à regra do seu próprio jogo.
M. Constantino

25 de janeiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 25

EFEMÉRIDES – Dia 25 de Janeiro

Somerset Maugham (1874-1965)
William Somerset Maugham nasce em Paris, na embaixada do Reino Unido. Novelista e dramaturgo britânico, protótipo do escritor prolifero e popular, escreve o primeiro romance em 1897, Liza of Lambeth, inspirado nas suas experiências como médico nos bairros humildes de Londres. No mesmo género ganhou fama internacional com Of Human Bondage (1915) e The Painted Veil (1925). Escreveu muitos e excelentes contos e peças de teatro, alguns dos quais de tema criminal. Neste campo destacam-se: Ashenden: Or the British Agent (1928), um conjunto de histórias incluído pela Mystery Writers of America no Top 100 Mysteries of All Time e que se julga ter influenciado Ian Fleming na criação de James Bond. Somerset Maugham colabora regularmente com jornais e revistas, em especial The Criminal com cerca de duas centenas de artigos e contos curtos.
As obras deste autor estão amplamente divulgadas em Portugal, em livros de bolso, em edições populares e por várias editoras, no início publicadas pela Livros do Brasil e mais recentemente pela Asa Editores. A título de exemplo, eis as obras aqui referenciadas na sua edição mais recente:
1 - Liza, a Pecadora (Círculo de Leitores, 1991)
2 - Servidão Humana (Asa, Colecção Vintage, 2011)
3 - O Véu Pintado (Asa, Colecção Pequenos Prazeres, 2004)
4 - O Agente Britânico (Livros do Brasil, Colecção Autores de Sempre, 1986)



UM TEMA — FICHA CRIMINAL: AL CAPONE
No cemitério de Mount Carmel jaz aquele que foi considerado o mais famoso gangster de todos os tempos: Al Capone, o Scarface. Nascido em Brooklyn (Caleidoscópio17), descendente de pais napolitanos que haviam adquirido a nacionalidade americana em 1906, o jovem Capone cresceu no bairro povoado por emigrantes italianos que disputavam entre si os mercados, clubes de dança e prédios de apartamentos. Aos 14 anos bateu num professor, foi expulso da escola mas quase de imediato caiu, por sorte ou por destino, sob a influência do gangster napolitano John Torrio. Este pertencia à quadrilha Five Pointers e Alphonse Capone era o moço de recados. Aos 18 anos passou a trabalhar para Frankie Yale, com uso dos punhos e das armas para limpar o clube do patrão de indesejáveis. Um companheiro que usava uma faca deixou-o marcado para sempre numa face, daí a alcunha de Scarface, no entanto o desfiguramento não o afectou. Cedo encontrou uma rapariga irlandesa, Mae Josephine Coughlin, com quem casou. Torrio foi o padrinho. Quando Torrio decide mudar-se para Chicago, onde James Colosimo, Big Jim, possuía um clube onde se misturam homens de negócios, políticos, prostitutas e estrelas de cinema. Capone juntou-se-lhe em 1919 e exerceu a profissão de segurança, motorista e guarda-costas. Em 17 de Janeiro de 1920 saiu a lei que proibia a produção e distribuição de álcool, o que conduziu a uma orgia de actividades ilegais e lutas ente os gangs pelo fornecimento, por vezes com a cumplicidade de polícias. Colosimo foi alvejado, dizia-se pelo sobrinho Torrio e de facto este acaba por expandir o seu negócio. Em 1923 Torrio fez umas longas férias pela Europa, Capone aproveitou para zelar pelos seus interesses. Em 1924 o irmão de Capone, Frank, teve uma morte violenta. Capone matou Joe Howard, mas a polícia não conseguiu provar nada e Capone toma o lugar de Torrio, envolve-se em outros assassínios, sempre sem provas acusativas válidas. O ataque em 1926 com um grupo de pistoleiros junto a um bar de Capone é um banho de sangue, do qual é vítima o procurador William McSwiggin, foi atribuído a Al Capone, mas mais uma vez este não foi incriminado. A polícia por vingança destrói-lhe vários estabelecimentos, mas são reconstruídos por Capone.
Durante alguns anos o tráfico de bebidas alcoólicas mantém-se o negócio mais produtivo, sempre semeado de mortes à mistura. Depois Capone entra no negócio da extorsão, controlando trinta por cento do mercado. O massacre do Dia de S. Valentim é uma carnificina horrenda mas, de novo, Al Capone não é pronunciado por se encontrar em Miami. Em 1931 é acusado de dois crimes de evasão fiscal por ter violado a Lei da Proibição. Declara-se culpado para reduzir a pena, mas ao ouvir o juiz declarar que não havia negociações retira a culpa. Em 24 de Outubro desse ano é condenado a 11 anos de prisão, onde consegue manter alguns privilégios até que alguém denuncia essa situação e é transferido para Alcatraz onde cumpre o resto da pena. Sai em Novembro de 1939.
Em 19 de Janeiro de 1947 sofre uma hemorragia cerebral e morre em 25 de Janeiro.
Do seu tempo ficam as inúmeras mortes, os escritos e os filmes a que deu origem.


M. Constantino

24 de janeiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 24

EFEMÉRIDES – Dia 24 de Janeiro
René Guillot
(1900-1969)
Nasce em Courcoury, na região de Poitou-Charentes em França. É um escritor famoso pelos livros de aventuras para jovens, muito popular entre nós nas décadas de 60 e 70. No policiário é considerado um escritor de nível secundário pela escassez de produção neste campo. O livro mais conhecido é Les Équipages de Peter Hill (1946), distinguido com Le Prix du Roman d'Aventures, um prémio literário que distingue anualmente um romance policial francês ou estrangeiro.
Les Équipages de Peter Hill foi editado em Portugal em 1948 pela Livraria Clássica Editora, na Colecção Os Melhores Romances Policiais com o nº72, A Tripulação de Peter Hill.


UM TEMA — CRIMINOLOGIA: O INDIVÍDUO (identificação), O FUGITIVO e O DESAPARECIDO
A identificação correcta de um indivíduo é de capital importância, quer por simples actos civis, quer no domínio da criminologia — muito particularmente nesta.
No passado marcavam-se os criminosos até à mutilação, de forma brutal com um ferro ardente em várias partes do corpo e em diferentes países: na Rússia, França e Alemanha (1800), na China até 1905...



Muito antes, na época de Ptolomeos no Egipto e no Império Romano, o sistema de identificação dos delinquentes usado era surpreendentemente semelhante ao futuro retrato falado.
Na Época Medieval e até ao meio do séc. XIX as descrições não abonavam garantia e frequentemente davam lugar a confusões.
Cerca de 1840, o belga Quetelet (1796-1874) afirmou que não há no mundo dois seres humanos exactamente do mesmo tamanho. Baseado nesta tese e nos conhecimentos de antropologia, Alphonse Bertillon (1853-1914) idealizou um método de identificação a que chamou antropometria, fundando o Service de l'Identité Judiciaire datado de 15 de Fevereiro de 1889. Acrescentou-se a fotografia em duas posições e depois em três, frente e perfis.
A introdução da fotografia e posteriormente a descoberta da dactiloscopia, foram os avanços mais espectaculares nos processos de identificação. Já se sabia que os babilónicos para se protegerem das falsificações marcavam uma impressão digital quando escreviam documentos importantes. O anatomista Malpighi (1628-1694) tinha descoberto as linhas papilares e Jan Evangelista Purkinje (1787–1869) identificou diferentes padrões, no entanto sem pensar na identificação. O assunto passou por Georg Meissner (1829-1905), William Herschel (1833-1917), Henry Faulds (1843-1930) até Bertillon que, entusiasmado com o seu sistema antropológico, não aceitou de imediato a dactiloscopia, até que Galton (1822-1911) e Juan Vucetich (1858-1925) apuraram o sistema que chegou a todas as polícias.
A dactiloscopia dá-nos aspectos surpreendentes. O mais importante é que não há duas impressões digitais idênticas. A Natureza nunca as reproduz exactamente; se encontramos duas que parecem iguais à vista, o exame microscópio revela logo a diferença; entre pais, filhos e irmãos, mesmo gémeos, conserva-se a diferença. Não se podem alterar, mesmo as cicatrizes não são obstáculo à sua leitura. Mesmo a cirurgia plástica é inútil, as linhas papilares só desaparecem após a morte com a decomposição do corpo. São fáceis de obter através dos arquivos de identificação. Na recolha basta papel e tinta, ou o uso de equipamento mais sofisticado, incluindo máquinas fotográficas digitais ou utilização de raios ultravioletas para a pesquisa in loco. A comparação faz-se hoje em tempo verdadeiramente curto. Esta tarefa incube aos laboratórios da Polícia Científica que, com meio século de atraso em relação às polícias europeias, acabou por ser estabelecido pelo Dec. Lei nº41036, de 2 de Outubro de 1957. Actualmente o Gabinete de Identificação e Pesquisa da Polícia Judiciária mantém uma actividade constante neste campo. Não interessa apenas a impressão digital ou a palmar, mas tão somente uma particularidade destas. A lofoscopia interessa-se pelos desenhos e relevo epidérmico que permitem distinguir. Identificações por vezes morosas mas indispensáveis.

DESAPARECIMENTO
A identificação é o primeiro passo, antes da transmissão de um aviso de alarme às polícias externas ao local do facto.
Após a identificação há que estabelecer, se possível, a motivação para o desaparecimento. Os casos de desaparecimento voluntário (fugitivos) ou involuntários são ambos para trabalho policial.
Tratando-se de um delinquente profissional, cuja fuga oculta, na maior parte dos casos, um novo delito em perspectiva ou já produzido, o arquivo de factos delituosos antecedentes contém numerosas anotações sobre hábitos, lugares etc. Deve visitar-se a última residência e as anteriores, parentes, amigos antigos e recentes, associados. Se for um indivíduo de hábitos nocturnos, vigiar as casas e salões de jogos, discotecas, restaurantes, hotéis de má reputação. É importante ter em conta o modus operandi anterior.
A cooperação entre polícias é essencial. Estas devem actuar com habilidade e naturalidade. Ter em atenção aos disfarces, no limite, a cirurgia faz, maravilhas; altera o rosto, o ângulo dos olhos, o tipo de nariz, cobre e abre cicatrizes impedindo o reconhecimento à vista desarmada. Um bom polícia, porém deve estudar a personalidade de um indivíduo, único facto difícil de disfarçar.
Ainda no campo dos fugitivos, mas não delinquentes, a motivação é o suporte principal. Cherchez la femme é um axioma a ter em conta: fugir de uma mulher ou com uma mulher é frequente. Outras causas são as querelas familiares ou laborais; emigração clandestina, frustração ou cansaço social motivos que levam os indivíduos a afastarem-se sem rumo.
No caso de ausência involuntária o desaparecimento pode ser consequência de um acidente, doença, morte acidental ou homicídio, sequestro…
O processo de desaparecimento involuntário é quase sempre mais difícil por falta de antecedentes e particularidades individuais. Existe um sem número de elementos ligados à pesquisa, desde a utilização de fotos actuais, investigação de movimentos bancários até às buscas com a ajuda de o faro de um cão especializado no ramo.
M. Constantino

23 de janeiro de 2012

CALEIDOSCÓPIO 23

EFEMÉRIDES – Dia 23 de Janeiro

Walter M. Miller Jr (1923-1996)
Walter Michael Miller, Jr nasce em New Smyrna Beach, Florida - USA. É um escritor de ficção científica, publica apenas dois livros, um deles postumamente: A Canticle for Leibowitz (1959) e Saint Leibowitz and the Wild Horse Woman (1997). Em contrapartida escreve tem uma ampla produção de contos currtos. É detentor de vários prémios e está representado nas grandes antologias de ficção científica.
Em Portugal, em 1971, a Livros do Brasil na colecção Argonauta, edita Um Cântico para Leibowitz em 3 volumes (nos.169, 170 e 171), que iclui o primeiro livro de Miller e os contos Fiat Homo, Fiat Lux e Fiat Voluntas Tua. Este conjunto é reeditado em 2000 pela Europa América - nº81 da Colecção Nébula; e é também esta Editora que publica com o nº82 da referida colecção o outro livro São Leibowitz e a Mulher do Cavalo Selvagem.





Stanislas-André Steeman (1908-1970)
Nasce em Liège – Bélgica. Precoce contador de histórias publica o seu primeiro conto aos 14 anos na revista Sincere, um conto de Natal intitulado Les Crottes en Chocolat. Colabora com várias revistas e torna-se jornalista da La Nation Belge onde trabalha com o famoso Sintair (Hermann Sartini). Em 1928 publica o primeiro livro policiário Le Mystère du Zoo d’Anvers. É laureado em 1931 com o Grand Prix du Roman d'Aventure com Six Hommes Morts onde aparece o Monsieur Wens, ou seja Wenceslas Vorobeïtchik, antigo polícia, agora investigador por conta própria. Na série de Wens estão: Six Hommes Morts (1931), Les Atouts de M. Wens (1932), M. Wens et l'Automate (1934), La Morte Survit au 13 (1958). Os livros mais relevantes são: L'Assassin Habite au 21 (1939) Légitime Défense (1949), que mais tarde é editado com o título Quai des Orfèvres e Autopsie d'un Viol(1964). Muito bom o livro de contos L'Infaillible Silas Lord (1939), em que este mostra ser um Sherlock Holmes, fora do habitual. Stanislas-André Steeman tem várias obras adaptadas a Banda Desenhada e ao cinema.
Em Portugal os livros deste autor foram editados com sucesso, entre 1931 e 1951, pela Livraria Clássica Editora, na Colecção Os Melhores Romances Policiais:

1 - Seis Homens Mortos
2 - O Mistério de Lovernal
3 - O Iô-iô de Vidro
4 - Duas Vezes Assassinado
5 - O Inimigo Sem Rosto
E de outras editoras:
6 - Três Igual a Um (1950) Édipo
7 - Crimes, Vendem-se! (1953), Dois Continentes, nº4 Colecção Máscara / Crimes à Vendre
8 – Sua Excelência a Morte (1955) Livros do Brasil, nº94 Col.Vampiro / Madame la Mort
9 - Autópsia dum Crime (1967) Empresa Nacional de Publicidade, nº16 Colecção Policial Esfin
ge.

22 de janeiro de 2012

M. CONSTANTINO

Domingos Cabral e M. Constantino falam sobre...


M.Constantino no policiário



video

CALEIDOSCÓPIO 22

EFEMÉRIDES – Dia 22 de Janeiro

Anthony Abbot (1983-1952)
Nasce Charles Fulton Oursler em Baltimor, Maryland EUA. É jornalista, repórter, editor e escritor. Usa o pseudónimo Anthony Abbot para a escrita de temas policiários. Com o seu primeiro livro About the Murder of Geraldine Foster (1930) cria o Inspector Thatcher Colt, o mais trabalhador e tenaz caçador de criminosos; Thatcher é um felizardo, solteiro que habita uma casa de cinco pisos em Manhatan West, com ginásio próprio e uma biblioteca de 5000 volumes sobre criminologia. Os primeiros livros de Anthony Abbot começam sempre pela palavra ABOUT, no entanto nas edições seguintes o título é diferente, o que baralha os seus leitores. Publica vários romances e contos - ver adenda. Abbot é um clássico entre os clássicos.


Joseph Wambaugh (1937)
Joseph Aloysius Wambaugh, Jr. Nasce em East Pittsburgh, Pennsylvania-EUA. Faz parte do United States Marine Corps e da Los Angeles Police Departement o que acaba por influenciar a sua obra literária. Escreve historias de policia para a televisão. No domínio da ficção publica o primeiro romance policial em 1971 The New Centurions, mais tarde adaptado ao cinema. Seguem-se: The Blue Knight (1972), The Choirboys (1975), The Black Marble (1978), The Glitter Dome (1981), The Delta Star (1983), The Secrets of Harry Bright (1985), The Golden Orange (1990), Fugitive Nights (1992) Finnegan's Week (1993) e Floaters (1996). Na série Hollywood estão publicados: Hollywood Station (2006), Hollywood Crows (2008) Hollywood Moon (2009) e Hollywood Hills (2010). Joseph Wambaugh tem um novo livro Harbor Nocturne a editar em Abril de 2012.

Site oficial do autor: http://www.josephwambaugh.net/





ADENDA - BIBLIOGRAFIA DE ANTHONY ABBOT
1 - About the Murder of Geraldine Foster (1930) também conhecido como The Murder of Geraldine Foster (1930).
2 - About the Murder of the Clergyman's Mistress (1931) também conhecido como The Crime of the Century (1931), ou The Mysterious Murder of the Blonde Play-Girl (193?), ou ainda The Murder of the Clergyman's Mistress (1950).
3 - About the Murder of the Night Club Lady (1931) também conhecido como The Murder of the Night Club Lady (1931) ou The Night Club Lady(1932).
4 - About the Murder of the Circus Queen (1932) também conhecido como The Murder of a Circus Queen (1933).
5 - About the Murder of A Startled Lady (1935) também conhecido como The Murder of a Startled Lady (1936).
6 - About the Murder of A Man Afraid of Women (1937) também conhecido como The Murder of a Man Afraid of Women (1937).
7 - The Creeps (1939) também conhecido como Murder at Buzzards Bay (1940).
8 - The Shudders (1943) também conhecido como Deadly Secret (1943).

Anthony Abbot escreve um romance publicado como autor anónimo Dark Masquerade (1936).
E quatro contos curtos:
1 - About the Disappearance of Agatha King (1939)
2 - About the Perfect Crime of Mr. Digberry (1940)
3 - The Face From Beyond (1946)
4 - The Ship of Sleepless Men (1958)

Em Portugal é possível encontrar
1 - A Misteriosa Morte da Cantora, publicado em 1946 pela Tipografia Ibérica, nº2 da Colecção Os Melhores Contos Policiais
2 - O Assassínio da Rainha do Circo, publicado pela Editorial. Século em 1951.
3 - A Mão que Abriu o Ferrolho, conto publicado em 1964, em 50 Gigantes do Conto Policial, nº6 da Antologia Policial de Ross Pynn.
4 - Um Rosto do Além conto publicado em 1967, em 34 Obras Primas do Conto Policial, nº8 da Antologia Policial de Ross Pynn.